Calibrar frutas e legumes

Por: Teresa Martins | Enermeter

A atual exigência dos consumidores impõe a adoção de estratégias para agradar e facilitar as opções de compra.

frutas

Por exemplo já não é aceitável expor os produtos em caixas de forma desordenada e descuidada. Embora já não seja necessário categorizar de um modo tão rígido frutas e legumes em diferentes calibres, os produtos expostos têm que cumprir um conjunto de normas básicas impostas pela união europeia: não podem estar em decomposição, têm que estar limpos, saudáveis e seguros para o consumidor.

A fruta e os legumes podem ser calibrados por peso, dimensão, cor, textura, etc.

Há muito tempo que a tarefa de calibração e separação destes elementos deixou de ser necessariamente uma tarefa manual.

Os sistemas de calibração automáticos, baseados nas tecnologias de visão artificial executam estas tarefas com elevadíssima fiabilidade e rapidez.

Estes sistemas são altamente flexíveis, uma vez que todos os parâmetros, relativos à qualidade dos produtos, podem ser configurados e ajustados pelo utilizador de acordo com as suas necessidades.

Calibrar meloas por diâmetro e quantidade e de riscas, tomate por cor, cerejas por cor e diâmetro a taxas que podem variar entre as 4 meloas/s e as 18 cerejas/s são exemplos reais da aplicação desta tecnologia neste contexto agroindustrial.

O transporte e manipulação adequada dos frutos, necessária para a aquisição das imagens dos mesmos está perfeitamente garantida pela excelência tecnológica do setor.

Por isso, a inteligência dos sistemas automáticos de calibração de fruta depende somente das competências do sistema de visão artificial integrado no mesmo.

A escolha do hardware, nomeadamente iluminação e câmaras apropriadas e o desenvolvimento de software capaz de extrair das imagens toda a informação importante, com tempos de processamento extremamente baixos são cruciais para o sucesso pleno da solução.

A integração de toda a informação resultante da calibração no sistema de informação global do produtor, cooperativa ou distribuidor é um benefício necessário para a correta e rápida gestão de toda a informação deste processo.

Os sistemas automáticos de inspeção baseados na tecnologia de visão artificial são aplicáveis aos mais variados processos nos diversos sectores tecnológicos.

(Continua)

Aceda ao artigo na íntegra na edição n.º 3 da edição impressa da Revista TecnoAlimentar.

Solicite a edição ou a assinatura através do seguinte email: marketing@tecnoalimentar.pt.

Saiba mais aqui.