Um terço do comércio da UE é com os EUA e China

Em 2018, os Estados Unidos da América, com 674 mil milhões de euros (17,1% do total de comércio extracomunitário de mercadorias, ou seja, a soma das exportações e importações) e China, com 605 mil milhões, (15,4%) continuaram a ser os dois principais parceiros comerciais da União Europeia (UE), bem à frente da Suíça (com 265 mil milhões de euros, ou 6,7%), Rússia (254 mil milhões de euros, ou 6,4%), Turquia (153 mil milhões de euros, ou 3,9%) e Japão (135 mil milhões de euros, ou 3,4%).

comercio

No entanto, as tendências observadas ao longo do tempo diferem entre os principais parceiros comerciais da UE. Depois de registar uma queda significativa contínua de quase 25% em 2000 para 14% em 2011, a participação total dos EUA na UE aumentou mais de 17%, em 2018.

A participação da China foi mais elevada desde 2000, passando de pouco mais de 5% para mais de 15% em 2018. A quota da Rússia diminuiu de quase 10%, em 2012, para cerca de 7%, em 2018, enquanto o Japão caiu mais de metade desde 2000 Suíça e Turquia permaneceram relativamente inalteradas ao longo do período.

Em quase todos os Estados-Membros da UE, o principal parceiro das exportações de bens, em 2018, foi outro membro da União Europeia, exceto a Alemanha, Irlanda e Reino Unido (os EUA eram o principal destino das exportações), Chipre (Ilhas Caimão) e Lituânia (Rússia).

Globalmente, a Alemanha foi o principal destino das exportações de bens para 17 Estados-Membros.

Em alguns Estados-Membros, mais de um quarto das exportações foi para um único parceiro. Para a República Checa (32% das exportações de bens), Áustria (30%), Polónia (28%), Hungria e Luxemburgo (ambos 27%), esse parceiro foi a Alemanha.

No caso de Portugal, Espanha foi o principal destino de 25% das exportações, enquanto para a Irlanda foram os EUA, com 28%.

Os três principais destinos das exportações da extra-EU, ou seja, comércio com países não pertencentes à UE, em 2018 foram os EUA (21% de todas as exportações extra-UE), China (11%) e Suíça (8%).

Em 2018, os 28 Estados-Membros da UE exportaram um total de 5.474 mil milhões de euros de bens, dos quais 3.518 mil milhões de euros (ou 64%) tiveram como destino outro Estado-Membro da UE (comércio intra-UE). Com mais de três quartos das mercadorias exportadas para outros Estados-Membros da UE, Eslováquia (86% no total das exportações da UE), Chéquia e Luxemburgo (ambos 84%), Hungria (82%), Polónia (80%), Roménia (77%), Eslovénia e Portugal (ambos 76%) registaram as maiores percentagens de exportações intra-UE, em 2018. No extremo oposto da escala, Chipre (28%) e Reino Unido (47%) foram os únicos Estados-Membros que exportavam mais bens para países não comunitários do que EU, em 2018.

Quanto às exportações, o principal parceiro das importações de bens, em 2018, foi outro membro da União Europeia em todos os Estados-Membros, com exceção da Lituânia (Rússia foi o principal país de origem dos bens importados) e Países Baixos (China como principal fonte de importações).

Globalmente, a Alemanha foi, novamente, a principal fonte de importações de bens para 17 Estados-Membros. Em oito Estados-Membros, mais de 25% das importações de bens provieram de um único país parceiro em 2018: Áustria (41% das importações de mercadorias originárias da Alemanha), Luxemburgo (35% da Bélgica), Portugal (31% da Espanha), República Checa (29% da Alemanha), Polónia (27% da Alemanha), Irlanda (26% do Reino Unido), Hungria (25% da Alemanha) e Malta (25% da Itália).

Para o comércio extracomunitário, o principal país de origem dos bens importados para a EU, em 2018, permaneceu a China (20% de todas as importações extracomunitárias), seguida pelos EUA (13%) e Rússia (8%).


Fonte: Distribuição Hoje