Pão “100% português” junta produtores, investigadores e grande distribuição

  • 06 dezembro 2016, terça-feira
  • mercados

Cinquenta mil pães com ingredientes 100% nacionais vão esta terça-feira começar a ser vendidos no âmbito de um projeto que junta produtores e investigadores à grande distribuição e que pretende promover a produção de cereais em Portugal.

O presidente do Clube Português dos Cereais de Qualidade, Fernando Carpinteiro Albino, disse que o projeto nasceu em Elvas com o objetivo de congregar «toda a fileira»: a produção nacional de trigos moles (que dão origem ao pão), a indústria, que transforma o trigo em farinha, um produtor de pão e um vendedor de pão.

A parceria inicial envolveu a Cooperativa de Beja e Brinches, a empresa Gérmen Moagem de Cereais e a “Panificadora Marques Filipes”, apoiados pelo Clube de Produtores do Continente, mas em 2017, pretende-se alargar a produção a outros membros do clube.

Para já as 25 toneladas de trigo produzidas e transformadas em 20 toneladas de farinha deram origem a 50.000 pães certificados, feitos com cereais do Alentejo, que começam a ser vendidos nos hipermercados Continente.

Fernando Carpinteiro Albino defende que Portugal tem de voltar a apostar nos cereais porque «não se pode dar ao luxo de importar quase 100% do pão e das massas que consome» e lembra que a quase totalidade do pão consumido em Portugal é fabricado com matérias primas provenientes do estrangeiro.

«Infelizmente, 92% do pão que todos nós consumimos é importado», afirmou, acrescentando que Portugal importa trigo europeu, sobretudo de França e da Alemanha, mas também «muito do Canadá» o que implica grandes custos.

Segundo dados do INE, em 2015, foram importadas 1.276.000 toneladas de cereais, no valor de 264 milhões de euros, e exportadas 17.000 toneladas (grande parte devido ao arroz), o que equivale a 3,4 milhões de euros. O grau de autoaprovisionamento de cereais em Portugal é de 27%, sendo que o trigo e a cevada são aqueles que mais contribuem para a dependência dos mercados externos.

«Espero que este projeto deixe de ser um projeto para passar a ser realidade e que consigamos ter o pão com cereais de Portugal à disposição dos portugueses com os trigos do nosso Alentejo, o sítio com mais apetência para a produção de cereais», desabafou o produtor.

Fernando Carpinteiro Albino destacou também o papel «indispensável» da investigação neste projeto, através da Estação Nacional de Melhoramento de Plantas de Elvas, que tem «salvado» algumas variedades portuguesas e promovido melhorias da produtividade para que os agricultores obtenham “bons resultados”.

«Tem de haver uma simbiose muito grande entre a investigação e a produção para que os industriais entendam que este trigo pode fazer uma boa farinha, porque temos de fazer trigo de acordo com os interesses dos fabricantes do pão», salientou o mesmo responsável, garantindo que os cereais nacionais «dão origem a farinhas tão boas como as importadas».

A presidente do Clube de Produtores Continente, Ondina Afonso, adiantou que o pão vai ser vendido nas 231 lojas do grupo Sonae, estando previstas a produção de 50 mil unidades até ao final deste ano e o alargamento do projeto a partir do próximo ano.

No total, as 100 toneladas de trigo produzidas foram transformadas em 75 lotes de farinha, estando ainda a ser estudado se numa segunda fase, a partir de 2017, “irá ser acrescentado ainda mais valor ao produto”.

Ondina Afonso destacou que o Continente tem apostado no reforço da produção nacional e que decidiu juntar-se à iniciativa por se tratar de «um projeto de fileira» que fomenta o conhecimento e a investigação.

Contribuir para «contrariar» o desequilíbrio da balança comercial no que diz respeito à elevada dependência externa dos cereais importados foi outro dos motivos invocados para a parceria.

Fonte: Lusa