Brexit pode levar a escassez de alimentos no Reino Unido

Cerca de 30% dos alimentos consumidos no país provêm de importações da União Europeia, que podem ser colocadas em causa com uma saída sem acordo.

Texto: Sofia Monteiro Cardoso

A ideia de uma rutura com a União Europeia sem acordo está a deixar os comerciantes apreensivos. A indústria alimentar britânica reivindica leis mais flexíveis para o abastecimento e definição do preço dos produtos alimentares. Contudo, o Governo parece não ceder.

Em declarações à Reuters, o presidente da Federação britânica de Alimentos e Bebidas, Tim Rycroft, defende que o futuro é imprevisível. Contudo, o presidente acredita que irá existir alguma escassez de certos alimentos frescos e produtos especializados nas semanas e meses seguintes à saída.  

No Reino Unido a indústria alimentar emprega cerca de 450 000 pessoas e o potencial fim das importações pode provocar o caos na sociedade. Empresas como a Tesco, uma das maiores empresas alimentares estabelecidas na Grã-Bretanha, afirmam que uma saída abrupta seria problemática para a indústria, especialmente na época natalícia.