Resíduos orgânicos vão ser recolhidos de forma seletiva

Restos alimentares e guardanapos de papel estão a ser transformados em fertilizantes para a agricultura.

Texto: Sofia Monteiro Cardoso

O lixo indiferenciado vai sofrer alterações e os municípios portugueses vão passar a recolher seletivamente os resíduos orgânicos, como os restos de comida.

A alteração resulta de novas diretrizes europeias, que visam ajudar o meio ambiente. Além disso, os resíduos serão transformados e vão potenciar diversos setores, como a indústria agrícola.

Assim, além de existir uma proteção do ambiente, a seleção é ainda benéfica pois pode gerar novos fertilizantes e, em alguns casos, novas formas de eletricidade. Em lisboa já existe eletricidade gerada a partir do biogás produzido na estação de valorização orgânica da Valorsul.

Quando colocados no lixo indiferenciado e depositados nos aterros, os resíduos orgânicos entram em processo de decomposição e produzem metano e dióxido de carbono, gases que são prejudiciais à conjetura climática atual.

A recolha vai iniciar-se em lisboa a partir de outubro. A autarquia vai dar a cerca de 6700 famílias da freguesia do Lumiar um balde para depositarem os resíduos orgânicos e guardanapos de papel.

Na cidade da Maia, desde outubro de 2018 que estão a ser recolhidos e encaminhados para a compostagem resíduos orgânicos de cerca de mil famílias. O projeto será alargado a 700 prédios do concelho no próximo ano, chegando até 35 mil habitantes. Desde o começo da iniciativa, a quantidade de lixo indiferenciado recolhido pelos serviços municipais diminuiu para metade.