O impacto do processamento culinário na qualidade organoléptica e nutricional do feijão

feijao

Por Ana Castanho, Cláudia Viegas e Carla Brites

Resumo

Os diferentes processamentos culinários podem ter um importante papel na incrementação da qualidade nutricional e sensorial dos alimentos, tornando-os mais apetecíveis ao consumidor. Três variedades portuguesas de feijão (Moleiro, Patalar e Tarrestre) foram testadas de modo a avaliar a influência dos tipos de processamento utilizados em restauração (cozedura comum, cozedura a alta pressão e cozedura a vácuo) nas suas características nutricionais e organoléticas.

Os valores obtidos para os conteúdos de proteína, lípidos e amido resistente, apesar de terem sofrido alterações com o processamento, não se mostraram significativamente diferentes entre processamentos (p<0.05).

Concluiu-se que o feijão Tarrestre é o que apresenta o tempo de cozedura mais elevado (>120min) e a textura mais firme para todos os tipos de processamento; o tipo de processamento que mais preservou a textura e aparência do grão em todas as variedades foi o de cozedura a vácuo.

(continua)

Nota: Artigo publicado na edição impressa da TecnoAlimentar 13.

Para aceder à versão integral, solicite a nossa edição impressa.

Contacte-nos através dos seguintes endereços:

Telefone 225899620

E-mail: marketing@agropress.pt