Há um novo método que estende validade do fiambre sem comprometer qualidade

Um revestimento comestível que aumenta o prazo de validade do fiambre fatiado e de outros produtos cárneos, sem comprometer a sua qualidade, foi inventado por investigadores da Universidade de Coimbra (UC), anunciou recentemente esta instituição.

fiambre

O método inédito, que resolve «um problema da indústria alimentar a nível mundial», foi desenvolvido por investigadores do Colling, grupo do Centro de Química da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC (FCTUC), na sequência de um desafio lançado, nesse sentido, pela Primor Charcutaria-Prima, empresa de produtos alimentares, de Vila Nova de Famalicão.

O novo revestimento de alimentos, que é comestível, é «produzido à base de polímeros e tensioativos naturais», revela a UC, numa nota enviada à agência Lusa.

«Apoiada na lista de polímeros e tensioativos naturais aprovados pela FDA (Food and Drug Administration)», a equipa de investigadores, liderada por Filipe Antunes, realizou «um conjunto de complexos estudos» até descobrir «um método inovador de revestimento de alimentos seguro» e «capaz de aumentar a validade dos vários tipos de fiambre fatiado».

O fiambre, depois de desembalado, tem atualmente validade de três dias.

«Tratou-se de um desafio imenso porque foi necessário estudar um vasto leque de variáveis», sublinha Filipe Antunes, citado pela UC.

«Começámos por selecionar os polímeros e tensioativos que reunissem as melhores propriedades para o fim pretendido, realizámos misturas e observámos o comportamento dessas combinações, modificámos algumas propriedades, investigámos as concentrações adequadas para obter um revestimento seguro e eficaz, e realizámos sucessivos testes para avaliar a interação dos polímeros e tensioativos com o alimento», explicita o investigador.

Além disso, os especialistas, que reproduziram em laboratório as condições, quer dos frigoríficos domésticos, quer dos frigoríficos dos supermercados, efetuaram vários estudos microbiológicos para assegurar «um revestimento antibacteriano e que evite a desidratação e oxidação deste tipo de alimentos, adiando a sua deterioração», salienta Filipe Antunes.

O revestimento agora criado é «impercetível aos olhos do consumidor, cumpre as exigências da FDA e pretende aumentar a conservação do fiambre e de outros produtos cárneos após a abertura da embalagem», sintetiza a UC.

Este método inovador, que os seus autores pretendem patentear, «não só resolve um problema da indústria alimentar como também contribui significativamente para a redução do desperdício alimentar», nota Filipe Antunes.

O projeto, cujos estudos foram desenvolvidos ao longo de dois anos, foi financiado por fundos comunitários, em cerca de 600 mil euros, através do programa Horizonte 2020.

Fonte: Lusa