FISAS: FAO anuncia apoio para criação de centro de competências na CPLP

A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) anunciou o seu apoio à criação do centro de competências para a agricultura sustentável na CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa), que será sediado em São Tomé e Príncipe.

FISAS

Texto: Ana Catarina Monteiro

A FAO vai apoiar um programa de colaboração que tem como objetivo criar um centro de competências que encontre novas práticas de agricultura sustentável na CPLP. O anúncio foi feito esta semana, no primeiro dia do Fórum Internacional Territórios Relevantes para Sistemas Alimentares Sustentáveis (FISAS), que decorre até ao próximo domingo em Idanha-a-Nova.

 Para José Graziano da Silva, diretor-geral da FAO, a iniciativa de cooperação entre países em prol da agricultura sustentável vai servir “para plantar a ideia de que um modelo novo e mais sustentável e responsável de produção e consumo é possível”.

O diretor-geral da FAO considera que “os sistemas alimentares não se mudam com tecnologia. No lugar disso, é preciso fazer mudanças nas leis e na área da investigação”.

“A criação de políticas públicas adequadas para a promoção da agricultura sustentável, da agroecologia e do acesso à alimentos saudáveis por toda a população”, sublinhou o responsável dando como exemplo “a política que promove as compras públicas de alimentos provenientes da agricultura familiar, iniciada no Brasil e já implementada em dezenas de países”, afirmou durante a sua intervenção.

Já Luís Capoulas Santos considera que "Portugal tem assumido claras opções estratégicas para a produção de uma alimentação saudável e segurança alimentar”, disse o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural de Portugal na sessão inaugural do fórum.

Do Plano Nacional Agrícola, de que são exemplo o Estatuto de Pequena Agricultura Familiar, o Programa de Regadios Tradicionais e a Reforma da Floresta, 30 a 35% são medidas relacionadas com o clima e a questão energética", sublinhou.

No FISAS estão representados 15 países, de quatro continentes, com uma preocupação comum: promover uma transição para sistemas alimentares sustentáveis de maneira a cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) estabelecidos.

O ministro da Agricultura terminou a sua intervenção com a atribuição da Medalha de Honra da Agricultura de Portugal ao diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva, que encerra o seu segundo mandato à frente da organização este mês.