Défice agroalimentar português aumentou €80 milhões em 2018

A balança comercial portuguesa de produtos agrícolas e agroalimentares (com exceção de bebidas) verificou em 2018 um aumento do défice na ordem dos 80 milhões de euros, fixando-se em um saldo de 3705,8 milhões de euros.

Texto: Ana Catarina Monteiro

Em 2018, Portugal manteve-se autosuficiente nas produções de leite, ovos, azeite, vinho, arroz e tomate para indústria, de acordo com os dados das Estatísticas Agrícolas divulgadas esta quarta-feira (24 de julho) pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Em contraste, o país continua deficitário nos restantes produtos agrícolas, nomeadamente, carnes, frutos, cereais (exceto arroz), batata, leguminosas secas, sementes e frutos de oleaginosas (exceto azeitona) e gorduras e óleos vegetais (exceto azeite). 

Esta conjuntura, teve reflexo no saldo da balança comercial dos produtos agrícolas e agroalimentares (exceto bebidas) cujo défice aumentou 80 milhões de euros, face a 2017, fixando-se nos 3705,8 milhões de euros.

Esta evolução desfavorável deveu-se, de acordo com o instituto, ao aumento das importações (em 261,9 milhões de euros) superior ao acréscimo das exportações (de 181,8 milhões de euros).

O ano agrícola 2017/2018 caracterizou-se meteorologicamente por um outono quente e extremamente seco a que sucedeu um inverno igualmente seco, mas frio. A situação de seca meteorológica, que se verificava desde abril de 2017, foi ultrapassada por uma primavera muito chuvosa (a terceira mais chuvosa desde 1931) e fria.

O verão foi classificado como normal em termos de temperatura e precipitação, embora junho tenha sido o segundo mais chuvoso desde 2000 e agosto o mais quente dos últimos 88 anos.