Compostos bioativos em alimentos de origem animal

Por Miguel Costa, Humberto Rocha e Teresa Mateus

mel

Os compostos bioativos, presentes em alimentos ditos funcionais, estão inscritos essencialmente em alimentos de origem vegetal, contudo, os alimentos de origem animal também os possuem.

Com este breve artigo, pretendemos aqui apresentar alguns compostos bioactivos existentes em diversos alimentos de origem animal, assim como, descrever a sua ação na promoção da saúde dos indivíduos que os ingerem, seja na prevenção ou tratamento de algumas doenças.

O que são compostos bioativos

Os compostos bioativos são compostos que, através da sua ingestão e digestibilidade, promovem benefícios na saúde do consumidor, nomeadamente proteção das células contra agentes exógenos ou endógenos, e apoio na regulação das funções do organismo.

Hsich et al. (2015) defendem que parte da resposta para controlar problemas de saúde do século XXI estará nestes componentes encontrados em alimentos de origem animal e vegetal.

Compostos bioativos no mel

Um dos alimentos de origem animal amplamente estudado é o mel. O mel resulta do processamento do néctar que é colhido nas plantas pelas abelhas.

A sua composição é variável em função dos diversos tipos de plantas do qual o néctar é colhido, assim como em função do clima, das condições ambientais e do próprio apicultor.

O mel é considerado um alimento de extrema importância na Medicina tradicional graças à grande diversidade da sua composição (mais de 200 compostos distintos) e que é conhecida por ter efeitos terapêuticos em diversos problemas de saúde, como por exemplo, desordens gastrointestinais, asma, infeções, queimaduras, e também nas fases de regeneração da pele em zonas com úlceras cutâneas (Habib et al., 2014).

(Continua)

Aceda ao artigo na íntegra na edição n.º 7 da edição impressa da Revista TecnoAlimentar.

Solicite a edição ou a assinatura através do seguinte email: marketing@tecnoalimentar.pt.

Saiba mais aqui.