95% das empresas ainda não digitalizaram a sua cadeia de abastecimento

95% das empresas não estão a aproveitar ao máximo os possíveis benefícios de redução de custos que a digitalização das cadeias de abastecimento pode proporcionar, indica um estudo da DHL.

cadeia

A robótica, a inteligência artificial, a realidade aumentada, o Blockchain, o Big Data ou os sensores são algumas das tecnologias que modificaram as cadeias de abastecimento tradicionais e que as empresas deveriam integrar nas suas operações e estratégias.

Os inquiridos indicam que a análise Big Data é a solução mais importante e 73% assegura que a sua empresa está a investir nesta tecnologia, à frente das aplicações baseadas na Cloud (63%), da Internet das Coisas (54%), dos modelos Blockchain (51%), do Machine Learning (46%) ou da Sharing Economny (34%).A

importância do hardware centrou-se na robótica, segundo 63% dos inquiridos, que superou a inteligência artificial (40%), a impressão 3D (33%) e a realidade aumentada e os drones (28%). “Não há dúvida que a digitalização está a ter um impacto incrível nas cadeias de abastecimento e nas operações em todo o mundo e veio para ficar.

As empresas deparam-se com muitas opções, à medida que novos produtos e aplicações chegam ao mercado e ganham aceitação na indústria. Ter uma estratégia para a digitalização das cadeias de abastecimento é essencial para aproveitar os benefícios e manter-se à frente da concorrência”, indica Lisa Harrington, autora do estudo.

39% dos inquiridos asseguram que as suas empresas estão a desenvolver uma ou mais soluções de análise e 31% está a fazer o mesmo em aplicações físicas.

Esta maior lentidão é sintomática dos cenários de mudança organizacional. 68% indica que a fiabilidade é a principal preocupação, 65% mostra resistência à mudança e 64% um insuficiente rendimento do investimento.

Fonte: Grande Consumo