Valor Jarmelista-Valorização territorial promovida através da promoção da carne da raça Jarmelista

Por Teresa Paiva, Paula Coutinho, Paulo Poço, Carlos Dias Pereira

Resumo

jarmelista

No âmbito do projeto Valor Jarmelista a valorização territorial será promovida através da preservação da genética, da identidade edo modo de produção de carne proveniente de animais da raça Jarmelista.

Para tal, pretende-se destacar a identidade desta raça como fator determinante para a manutenção da biodiversidade da região através do seu modo de produção sustentável e biológico. A valorização do território, através da carne do Jarmelo implicará também a análise da sua cadeia de valor da produção ao mercado.

O consórcio envolvido no projeto engloba a organização de produtores (Acriguarda), entidades do sistema científico e tecnológico (Instituto Politécnico da Guarda e Instituto Politécnico de Coimbra) e empresas vocacionadas para as actividades de promoção da carne da raça Jarmelista (Associação Qualifica, Plataforma J., Moura & Sampaio Consultores Lda. e a ALSAI, Lda -Pensão Aliança).

Introdução

A produção biológica representa uma parte integrante da atividade de numerosas explorações agropecuárias das regiões e ecossistemas mais rústicos que caracterizam os ambientes de montanha.

Neste sistema de produção, os efetivos são criados de acordo com as regras constantes no regulamento comunitário para agricultura biológica, que implicam controlo sobre os fatores e condições de produção e que limitam, por vezes, a produtividade e rentabilidade das explorações.

No entanto, estes sistemas produtivos são também responsáveis pelo equilíbrio e sustentabilidade dos ecossistemas como resultado do aproveitamento dos recursos naturais renováveis por via do uso de sistemas de culturas vegetais/produção animal que defendem uma ocupação mais harmoniosa do espaço rural, respeitando o bem-estar dos animais e garantindo a conservação e o melhoramento da fertilidade dos solos a longo prazo.

Estes aspetos desempenham um papel de extrema importância para o desenvolvimento de uma agricultura sustentável, amiga do ambiente, do bem-estar animal e da economia das populações (Belo-Moreira & Coelho, 1997; Pinto de Andrade et al., 1997; Gama, 2006). Acresce que estes sistemas de produção resultam, em muitos casos, no aumento da qualidade da carne, com atributos benéficos para a Saúde Humana.

Os bovinos de raça Jarmelista correm o risco de extinção por ausência de um modelo de desenvolvimento ajustado à valorização dos recursos endógenos da zona da Guarda.

Aliás a grande maioria das raças bovinas autóctones existentes em Portugal encontra-se ameaçada, tendo em conta os valores do efectivo de fêmeas reprodutoras inscritas em livro genealógico e exploradas em linha pura, disponíveis para reprodução.

(Continua)

Nota: Este artigo foi publicado na edição n.º 15 da Revista TecnoAlimentar, no âmbito do dossier Carnes.

Para aceder à nossa edição impressa, contacte-nos através dos seguintes endereços:

Telefone 225899620Email: marketing@agropress.pt