Rússia restringe importação de produtos de origem animal da Colômbia

A 5 de julho, o Serviço Federal de Vigilância Sanitária e Fitossanitária da Rússia (Rosselkhoznadzor) anunciou um embargo temporário sobre a importação de animais vivos e produtos de origem animal da Colômbia, devido aos focos de febre aftosa identificados no país latino-americano.

O comunicado publicado no site do serviço federal indica que as restrições entraram em vigor em 5 de julho de 2017 e se aplicam a animais, carne crua, produtos de carne, leite, produtos lácteos que não passaram por tratamento térmico adequado e couros e peles que não foram processados com tecnologias que garantam a destruição do vírus.

O Instituto de Agricultura da Colômbia (ICA) informou no final de junho que o país enfrenta o primeiro surto de febre aftosa desde 2009, quando a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) declarou a Colômbia livre da doença.

O ministro da Agricultura colombiano, Aurelio Irragorri, confirmou o surto registrado em uma fazenda do departamento de Arauca, perto da fronteira com a Venezuela.

A OIE define a febre aftosa como doença viral altamente contagiosa. O animal afetado apresenta uma febre alta que diminui após dois ou três dias.

Em seguida, aparecem pequenas vesículas na mucosa da boca, laringe e narinas e na pele que circunda os cascos.

Embora a maioria dos animais afetados se recupere, a doença enfraquece o organismo dos animais afetados e a mortalidade entre animais jovens é muito alta.

A transmissão da doença aos seres humanos é extremamente rara.