Rússia inclui sal na lista de produtos europeus proibidos de importar

O Governo russo incluiu o sal na lista de produtos europeus e norte-americanos proibidos de serem importados.

O sal junta-se assim a uma série de alimentos perecíveis - frutas e legumes, carnes, peixes e lácteos - incluídos no embargo russo que restringe as importações provenientes de países que mantêm sanções económicas contra Moscovo pelo seu apoio aos separatistas pró-russos no leste da Ucrânia.

A nova proibição entrará em vigor em 1 de novembro e, de acordo com o Ministério da Agricultura, «não vai afetar as necessidades internas» dos consumidores russos.

A Rússia produz 3,6 milhões de toneladas de sal por ano, embora as empresas do setor possam aumentar essa produção para, pelo menos, 6,1 milhões de toneladas.

Os países afetados pelo embargo exportaram, em 2015, 17,8% de todo o sal consumido no país naquele ano.

No final de junho, o presidente russo, Vladimir Putin, prorrogou por um ano e meio, até o final de 2017, o embargo aos alimentos procedentes da União Europeia. A decisão teve em conta que os 28 países da UE, por sua vez, prolongaram as sanções contra a Rússia pelo seu papel na crise ucraniana.

Os países europeus vinculam a duração das medidas restritivas a Moscovo com a plena implementação dos acordos de Minsk entre Kiev e os rebeldes pró-Rússia, incluindo um cessar-fogo permanente e o retorno da gestão da fronteira oriental da Ucrânia às autoridades ucranianas.

Fonte: Grande Consumo