Comissão Europeia apela à transparência dos preços

  • 19 setembro 2019, quinta-feira
  • mercados

O organismo europeu vai adotar medidas para introduzir uma maior transparência nos mercados. O objetivo é melhorar a supervisão dos preços ao longo da cadeia de abastecimento alimentar.

A Comissão Europeia apresentou, em maio do ano corrente,o reforço da supervisão dos preços dos produtos agroalimentares nas diferentes fases da cadeia de abastecimento, a fim de mostrar como são estabelecidos.

"A maior transparência permitirá que os diferentes intervenientes possam fazer escolhas mais informadas, facilitando a compreensão da formação dos preços e do desenvolvimento de tendências ao longo da cadeia alimentar", afirma o organismo europeu em comunicado. "Pode ainda ajudar as empresas a tomarem decisões mais acertadas, incluindo uma melhor gestão do risco e o reforço da confiança"

Segundo o anterior comissário da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Phil Hogan, "o aumento da transparência do mercado visa permitir a disponibilização de mais informação, sobre uma maior gama de produtos e com uma maior frequência. Deste modo, poderemos proporcionar maior equilíbrio à cadeia e assegurar uma tomada de decisão mais eficaz. O aumento da transparência é também uma questão de equidade: queremos proporcionar condições de igualdade no acesso à informação sobre os preços, tornando mais clara a forma como funciona a cadeia de abastecimento alimentar".

"Embora já se encontre disponível muita informação sobre os mercados agrícolas, existe ainda pouca informação sobre as transações entre agricultores e consumidores, nomeadamente sobre a transformação dos produtos alimentares ou a venda a retalho". Esta situação cria assimetrias na informação e dificuldades para os pequenos agricultores.

As medidas agora acordadas serão aplicáveis nos setores da carne, produtos lácteos, vinho, cereais, oleaginosas e proteaginosas, fruta e produtos hortícolas, azeite e açúcar. Os Estados-Membros comunicarão os dados à Comissão, que, por sua vez, os divulgará no seu portal de dados agroalimentares e nos observatórios do mercado da UE.

As novas regras serão adotadas nas próximas semanas e serão aplicáveis a partir de 1 de janeiro de 2021.