Vitrinas e móveis frigoríficos

Por: António Santos | Engenheiro Mecânico Térmico

vitrinas

Resumo

As vitrinas e os móveis frigoríficos têm como funções manter as temperaturas básicas de conservação para cada género alimentar e manter uma exposição adequada para que o cliente se possa servir dos alimentos.

Para isso, têm sido desenvolvidos vários tipos com formas geométricas e técnicas de conservação e de exposição diferentes, de forma a garantir estas duas funções – conservar e expor.

Num primeiro ponto deste trabalho apresenta-se os tipos e as classificações normalmente atribuídas a estes equipamentos e sua constituição básica.

Num segundo ponto faz-se uma descrição dos processos usados para a produção do frio, incluindo a descrição das cortinas de ar, como elementos de barreira energética.

Nos dois últimos pontos é feita uma descrição dos principais parâmetros que caracterizam este género de equipamentos e dos cuidados de manutenção a ter com estas máquinas de frio.

Tipos, classificações e constituição

A grande diferença entre a vitrina e o móvel está na forma do mostruário do produto. Nas vitrinas, esta zona leva sempre uma superfície envidraçada, que pode ter várias configurações geométricas, onde o cliente não tem um acesso direto ao produto. No caso dos móveis de frio, pode ou não levar essa superfície.

Os móveis de frio são também classificados de acordo com a superfície de acesso aos produtos em móveis de plano horizontal, de plano vertical e em mistos.

Ambos os equipamentos (móveis e vitrinas) são classificados quanto à sua temperatura de exercício, em positivos quando são usados para produtos frescos e em negativos quando para produtos congelados.

O tipo de produção do frio, o tipo de serviço (se livre ou se personalizado), a forma de abertura (se abertos ou fechados com portas), e a sua disposição dentro da loja (murais e ilhas), são também aspetos que permitem classificar estas máquinas de frio.

Os murais são equipamentos fabricados para serem encostados a uma parede/muro, e as ilhas para ficarem localizadas em espaço aberto dentro da loja, onde as pessoas podem circular em torno delas.

Leia o artigo completo na edição n.º 10 da TecnoAlimentar. Saiba mais aqui.

Se quiser fazer uma assinatura, contacte-nos aqui.