Retalho: realidade aumentada vai consolidar-se no mercado português

A realidade aumentada vai consolidar-se no mercado português e fazer parte do dia-a-dia das empresas nacionais em cinco anos.

retalho

O maior impacto na produtividade dar-se-á nos setores do retalho, marketing, saúde, manutenção industrial, turismo e entretenimento.

Esta é, pelo menos, a convicção da Universidade Portucalense que vai reunir especialistas em realidade aumentada numa conferência para debater a evolução, a aplicabilidade e os desafios desta tecnologia, na próxima quarta-feira.

“Esta tecnologia, que permite a junção e interação do mundo real com o mundo virtual, vai permitir ás empresas a criação de plataformas imersivas para os seus clientes, a melhoria da experiência do utilizador, a promoção da sua imagem, o aumento da produtividade e diminuição de riscos e erros”, defende a Universidade Portucalense.

“Este cenário vem acompanhar a tendência mundial de desenvolvimento acelerado desta tecnologia, sendo que, já em 2019 prevê-se um investimento mundial de cerca de 20,4 mil milhões de dólares em realidade aumentada e realidade virtual, o que representa um aumento de 68,8% face a 2018”, acrescenta.