Lançada a primeira Rota Internacional do Vinho na Península Ibérica

O Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial Duero-Douro iniciou a criação da primeira Rota Internacional do Vinho (RIV) que junta Portugal e Espanha, num projeto à escala europeia, com a finalidade de promover o território transfronteiriço.

vinhos

O primeiro passo foi dado com a elaboração de um logótipo, que será a imagem de marca da nova rota enoturística e que esteve a cargo de 25 jovens criativos pré-selecionados oriundos de Portugal e Espanha, reunidos numa jornada de trabalho, em Torre de Moncorvo, no distrito de Bragança.

«A apresentação do logótipo da rota põe em marcha um apaixonante itinerário que enche de atividades a raia e a unifica através do turismo e da gastronomia para guiar e envolver todos os interessados num território de surpreendentes paisagens e excelentes vinhos como é a fronteira do Douro Internacional», explicou à Lusa o diretor-geral do Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial Duero-Douro (AECT), José Luís Pascual.

Trata-se de um «projeto piloto» para que se constitua um motor de desenvolvimento dos territórios de baixa densidade populacional do interior peninsular. A Rota Internacional do Vinho (RIV) agrega 213 localidade de ambos os lados da fronteira, promovendo o vinho, a gastronomia e a paisagem como fatores de desenvolvimento económico.

«Começámos este projeto precisamente através da criatividade dos mais jovens do nosso território, que elaboraram aquilo que vai ser o grande símbolo deste no projeto, que se iniciou na zona de fronteira e que agora será divulgado a nível internacional para a promoção da RIV», explicou o responsável.

A RIV será, na zona raiana, um instrumento com capacidade de atrair turistas a um território onde se produzem vinhos de referência, como é caso do Douro Superior ou as províncias espanholas de Zamora e Salamanca.

«Estes territórios, apesar de todo o seu potencial ecoturístico, ainda não estão bem explorados, mas têm um grande potencial», vincou José Luís Pascual. No início dos trabalhos foi explicado aos criativos os traços essenciais do novo logótipo, para assim dar azo à imaginação de cada um dos presentes.

«Ao logo de uma jornada de trabalho foi criada um imagem com impacto, que resume todo o potencial de uma território como é a zona transfronteiriça do Nordeste Transmontano e da Beira Interior, do lado português. Já do lado espanhol o pedido era similar», referiu o responsável.

Carina Soares, uma criativa vinda do Porto para participar neste concurso, frisou que gosta de conhecer a génese de produtos como o vinho, um incentivo a participar nesta ação.

«Estou bastante motivada para ajudar na criação do logótipo, já que gosto de trocar ideias com outras pessoas com diferentes pontos de vista», indicou a designer. Do lado espanhol, Vicente Fernandez, de Pontevedra, vincou que o mais importante é participar e aplicar conhecimentos no trabalho a executar.

Fonte: Lusa