Dietas à base de forragem em explorações leiteiras produzem leite nutricionalmente melhor

Estudos anteriores demonstraram que o consumo de carne biológica ou produtos lácteos biológico diminui a ingestão dietética de ómega-6, enquanto aumenta a ingestão de ómega-3 e ácido linoléico conjugado (CLA), outro ácido gordo valioso e saudável para o coração.

vacas

Num ensaio da Universidade de Minnesota, a Universidade Johns Hopkins, a Universidade de Newcastle na Inglaterra, a Southern Cross University em Linsmore, a NSW Austrália e o Hospital Universitário de Aarhus na Dinamarca, os investigadores descobriram que as vacas criadas a pasto 100% biológico e uma dieta baseada em leguminosas produzem leite com níveis elevados de ómega-3 e CLA, e, portanto, proporcionam um equilíbrio mais saudável de ácidos gordos.

O perfil de ácidos gordos no leite das vacas criadas a pasto torna a relação ómega-6/ómega-3 para cerca de 1 a 1, em comparação com 5,7 a 1 no leite convencional.

O co-autor do estudo, Bradley Heins, professor associado de Dairy Science no West Central Research and Outreach Center da Universidade de Minnesota, ressalta que "com a crescente procura dos consumidores por produtos lácteos biológicos, os produtores podem converter-se para sistemas à base de pastagem e forrageira”.

As descobertas do estudo " Enhancing the Fatty Acid Profile of Milk through Forage-Based Rations, with Nutrition Modeling of Dietary Outcomes", publicado na Food Science and Nutrition, compararam o perfil de ácido gordo do leite de vacas sob três sistemas nos Estados Unidos:

1. As vacas "Grassmilk" receberam uma dieta com pasto 100% bio e forragem, através de pastagem e alimentos armazenados, como feno e silagem.

2. As vacas "bio" receberam, em média, cerca de 80% de sua ingestão diária de matéria seca (IMS) a partir de alimentos à base de forragem e 20% de grãos e concentrados.

3. As vacas "convencionais" receberam rações os alimentos à base de forragem representaram cerca de 53% do IMS diária, com os outros 47% provenientes de grãos e concentrados. O maneio convencional representa mais de 90% das vacas leiteiras em explorações americanas.

O grupo Grassmilk forneceu, de longe, o maior nível de ómega-3 - 0,05 gramas por 100 gramas de leite (g / 100 g), em comparação com 0,02 g/100 g no leite convencional - um aumento de 147% no ómega-3.

As vacas Grassmilk também produziram leite com 52% menos ómega-6 do que o leite convencional e 36% menos ómega-6 do que o leite bio. Além disso, a equipe de pesquisa descobriu que o leite a pasto tem o nível médio mais alto de CLA - 0,043 g/100 g de leite, em comparação com 0,019 g/100 g em leite convencional e 0,023 g/100 g em orgânico.

Implicações para a saúde pública

O consumo diário de produtos lácteos produzidos a pasto poderia melhorar as tendências da saúde nos EUA.

Além dos benefícios metabólicos e cardiovasculares bem estabelecidos dos ácidos gordos ómega-3 e CLA, há benefícios adicionais para mulheres grávidas e lactantes, bebês e crianças.

Várias formas de ácidos gordos ómega-3 desempenham papéis críticos no desenvolvimento dos olhos, do cérebro e do sistema nervoso. As ingestões adequadas de ómega-3 também podem retardar a perda de função cognitiva entre os idosos.

Ao descrever as implicações da saúde pública das principais descobertas do estudo, o co-autor Charles Benbrook, um estudante visitante da Bloomberg School of Public Health da Universidade Johns Hopkins, ressalta que «o equilíbrio quase ideal dos ómega-6 e ómega-3 ácidos graxos em produtos lácteos produzidos pasto ajudarão os consumidores a procurar opções de estilo de vida simples para reduzir o risco de doenças cardiovasculares e outras doenças metabólicas».

Fonte de amostras e financiamento

A equipa analisou mais de 1.160 amostras leite inteiro produzido a pasto recolhidas ao longo de três anos de explorações antes de qualquer processamento.

Todas as amostras vieram de membros agricultores da CROPP Cooperative e foram testadas por um laboratório independente.

Fonte: sciencedaily